RESERVE ONLINE QUIOSQUE ONLINE

Do alto do Castelo

Não deve deixar Aljezur sem subir até ao castelo e apreciar a vista circundante. Do topo, contempla-se a vila, os solos planos e férteis das várzeas e as ribeiras que serpenteiam os campos com as suas magníficas galerias de choupos, amieiros, freixos, tamargueiras e salgueiros.

Explore Aljezur

Fique mais um dia em Aljezur e aproveite para explorar as redondezas e as ruas labirínticas da vila, percorrendo o Circuito Histórico-Cultural e Ambiental de Aljezur. Basta seguir as marcas de cor amarela e vermelha!

Festival da Batata-doce de Aljezur

É precisamente aqui, nas várzeas de Aljezur, que segundo se diz, nasce a melhor batata-doce do país. O festival da Batata-doce de Aljezur ocorre anualmente no início de Dezembro e é uma ocasião imperdível para visitar a região e aproveitar para caminhar na Rota Vicentina.

Trilho dos Pescadores

Aproveite para estender uma etapa curta e siga as marcas do Trilho dos Pescadores que encontra ao km 3.5. Ao percorrer o Circuito Ponta da Atalaia, vai passar perto da praia de Monte Clérigo e caminhar junto às arribas, passado pela mítica Ponta da Atalaia.

Ligação com a Via Algarviana

A Serra de Monchique fica presa no olhar de quem percorre a região, mas outra coisa é conquistá-la pelo seu pé. Da vila de Aljezur há ligação a Marmelete e à Via Algarviana, uma Grande Rota pedestre entre Alcoutim e o Cabo de S. Vicente.

Caminho Histórico


 

Aljezur » Arrifana

12 Km

 
 
 

Este é um dia curto, mas que poderá ser estendido percorrendo o Trilho dos Pescadores em direcção à Arrifana ou continuando para sul, rumo às aldeias da Bordeira e Carrapateira. Atravessará vales perfumados e pequenas quintas enquanto se aproxima da costa, adivinhando já parte do trajecto do dia seguinte.

 



 
ABRIR MAPA

Do alto do lendário castelo de Aljezur, um dos sete que se encontram representados na bandeira de  Portugal, contemplam-se os solos planos e férteis das várzeas, onde se cultiva a famosa e incomparável batata-doce de Aljezur. As ribeiras serpenteiam estes campos com as suas magníficas galerias de choupos, amieiros, freixos, tamargueiras e salgueiros.

O Homem tem convivido com respeito e harmonia com esta natureza, fortemente marcada pelo efeito das estações do ano. Como resultado, encontramos uma paisagem agrícola muito rica em diversidade, especialmente no que diz respeito às plantas, insectos, aves, anfíbios e mamíferos. As borboletas rivalizam com as flores no colorido que explode na Primavera. 

A saída da vila permite contemplar o vale da ribeira de Aljezur que se estende até à praia da Amoreira e imaginar como seria Aljezur no séc. XV, quando todo este vale era navegável, constituindo o único porto de abrigo da costa escarpada entre Vila Nova de Milfontes e Sagres. Aqui chegavam barcos de Lisboa, Flandres e Castela.

Até se aproximar da costa, atravessará zonas de serra onde predomina o eucalipto, cuja progressiva plantação, devido à necessidade crescente de papel, vai descaracterizando a floresta da região. O eucaliptal diminui a biodiversidade, acima e abaixo do solo, gasta enormes quantidades de água, contribui para erosão do solo e leva ao esgotamento dos nutrientes minerais.

Quando o mar surge no horizonte, numa paisagem varrida por ventos salgados, onde predominam os matos pouco desenvolvidos, já se adivinha a chegada à incomparável baía da Arrifana.

 

+

Dicas


Abastecimento durante o percurso

- Ao km 5 no cruzamento junto à estrada N 1003, fazendo um desvio de 600 metros à direita até à povoação de Vales.

- Se optar por percorrer o Circuito Ponta da Atalaia, ao chegar à costa, vire à direita em direcção a Monte Clérigo.


Estenda esta etapa com o Trilho dos Pescadores

Aproveite o Circuito Ponta da Atalaia para estender esta etapa.

- No sentido norte-sul, ao km 4, 1.5 km antes de se cruzar com a estrada asfaltada, siga as marcas do Trilho dos Pescadores até à Arrifana.

- No sentido sul-norte, inicie a caminhada na Arrifana seguindo as marcas do Trilho dos Pescadores e ao cruzar-se com o Caminho Histórico continue em direcção a Aljezur.

Em ambos os sentidos, este trajecto totaliza 18 km.

 
FECHAR



 

Onde Começar

Aljezur: 

Junto ao mercado de Aljezur, seguindo em direcção ao Museu Municipal, onde deve virar à esquerda. Contorne a Igreja pelo lado direito e desça até ao caminho de terra, virando à esquerda.

Arrifana:

Junto ao estacionamento no topo da praia da Arrifana, seguindo pela estrada asfaltada em direccção a Vale da Telha e Aljezur, até entrar no caminho de terra à direita.

Ficha Técnica

GRAU DE DIFICULDADE: FáCIL
EXTENSÃO: 12 KM
DURAÇÃO APROXIMADA: 4 HORAS
SUBIDA ACUMULADA: 224 M
DESCIDA ACUMULADA: 184 M
ALTITUDE MÁXIMA: 121 M
ALTITUDE MÍNIMA: 2 M
ÉPOCA ACONSELHADA:
SETEMBRO A JUNHO
 
+

Avisos Importantes

Tenha atenção!

Ao longo desta etapa terá que caminhar e atravessar por mais do que uma vez estradas com algum movimento. Circule com a máxima precaução e sempre do lado esquerdo da estrada de forma a estar visível para o trânsito.

 
FECHAR

REGRAS E RECOMENDAÇÕES

A CIRCULAÇÃO DE VIATURAS MOTORIZADAS COLOCA OS CAMINHANTES EM RISCO
EVITE FAZER O CAMINHO HISTÓRICO DE MOTO OU JEEP, ESTUDE ALTERNATIVAS
NÃO FAÇA FOGO
VÁRIAS QUINTAS E REBANHOS SÃO PROTEGIDOS POR CÃES, CIRCULE COM PRECAUÇÃO.
CUIDADO COM O GADO. EMBORA MANSO, NÃO GOSTA DA APROXIMAÇÃO DE ESTRANHOS ÀS SUAS CRIAS.
OS CAMINHOS ATRAVESSAM PROPRIEDADES PRIVADAS, RESPEITE-AS E FECHE SEMPRE PORTÕES E CANCELAS.
FRACO APOIO DE SERVIÇOS TURÍSTICOS AO LONGO DA ETAPA. LEVE SEMPRE ÁGUA E MANTIMENTOS.
EM ALGUMAS SITUAÇÕES TERÁ QUE ATRAVESSAR ESTRADAS ASFALTADAS, TENHA ATENÇÃO
ENCONTRARÁ VÁRIOS LOCAIS IDEAIS PARA UM PIQUENIQUE, CARREGUE SEMPRE O LIXO CONSIGO.
SEJA AFÁVEL COM OS LOCAIS, APRESENTE O SEU PROPÓSITO E APROVEITE PARA PARTILHAR EXPERIÊNCIAS.
 




 

< ETAPA ODECEIXE » ALJEZUR



ETAPA ARRIFANA » CARRAPATEIRA >