RESERVE ONLINE QUIOSQUE ONLINE

Finisterra

Aproveite este circuito complementar para estender a etapa Vila do Bispo – Cabo de S. Vicente de forma a apreciar as falésias monumentais deste troço de costa. Tenha em atenção que este é um percurso difícil. Está prestes a chegar ao que foi em tempos o fim da terra.

Marcação alternativa e terreno duro!

À chegada à praia do Telheiro, terá que descer por uma escada em madeira, prossiga com cuidado. A marcação está feita com recurso a mariolas (montes de pedras), caminhe com a máxima atenção, de forma a não sair do trilho certo. Nos últimos 500 m, o trilho segue por terreno duro e pedregoso.

Praia do Telheiro

A praia do Telheiro é um geossítio, ou seja, um sítio com extraordinário interesse geológico. Uma das razões para tal classificação é a existência da mais espetacular discordância da Península Ibérica – uma transição brusca entre formações rochosas de idades muito, muito afastadas…

Um passado geologicamente agitado

A discordância da praia do Telheiro tem uma lacuna de mais de 100 milhões de anos, exibindo sinais claros de um passado geologicamente bem agitado. Estão ali camadas de xistos que já foram sedimentos depositados num mar interior com mais de 350 Ma.

Trilho dos Pescadores


 

Circuito Praia do Telheiro

6 km

 
 
 

Falésias monumentais, barrancos cobertos de vegetação autóctone, formações rochosas milenares e uma chegada memorável ao Cabo de S. Vicente por trilho de pescadores. Termine de forma inesquecível a sua travessia pelo Sw de Portugal.

 



 
ABRIR MAPA

A praia do Telheiro é um geossítio, ou seja, um sítio com extraordinário interesse geológico. Uma das razões para tal classificação é a existência da mais espetacular discordância da Península Ibérica. Uma discordância é uma transição brusca entre formações rochosas de idades muito, muito afastadas… como se, durante milhões de anos, a Terra se tivesse esquecido daquele lugar, não tendo nele deixado qualquer vestígio.

Para além do seu interesse científico, a falésia da praia do Telheiro é um deleite para o olhar, com a sua camada de arenito vermelho sobre as rochas escuras e antigas. Os melhores locais para observação são acessíveis apenas com a maré vazia.

O caminho desenvolve-se pelo topo da falésia, cuja altitude ultrapassa por vezes os 50 metros. É interessante pensar que, no passado, este pedaço de continente à beira-mar plantado tem flutuado sobre o manto da Terra como um bote de madeira sobre a água: quando é mais pesado (por exemplo, quando possui cadeias montanhosas), mergulha mais profundamente no manto; quando fica mais leve (por exemplo quando as montanhas são arrasadas pela erosão), ele sobe!

Se isto acontecesse à escala da vida humana, o seu percurso pelo topo da falésia iria parecer uma montanha russa!

 

+

Dicas


Combine este percurso com o Caminho Histórico

Ao terminar o Caminho Histórico, aproveite este circuito de forma a apreciar em pleno a chegada ao Cabo de S. Vicente. Entre a Ponta Ruiva e a Pedra das Gaivotas, é este o percurso com a certificação “Leading Quality Trails – Best of Europe”. A etapa mantém um total de 14 km.


Cabo de S. Vicente - Sagres: 6 km

Do farol até à vila de Sagres, são 6 km. Reserve energias para uma caminhada fácil ao longo da estrada. Em alternativa chame um táxi.

 
FECHAR



 

Onde Começar

Ponta Ruiva (norte):

Junto ao cruzamento que segue para a praia da Ponta Ruiva, por volta do km 6 da etapa Vila do Bispo » Cabo de S. Vicente.

Cabo de S. Vicente (sul):

Junto ao Cabo de S. Vicente, a 1 km do farol, em frente à Pedra das Gaivotas.

Ficha Técnica

GRAU DE DIFICULDADE: DIFÍCIL
EXTENSÃO: 6 KM
DURAÇÃO APROXIMADA: 2.5 HORAS
SUBIDA ACUMULADA: 54 M
DESCIDA ACUMULADA: 95 M
ALTITUDE MÁXIMA: 97 M
ALTITUDE MÍNIMA: 34 M
ÉPOCA ACONSELHADA:
SETEMBRO A JUNHO
 
+

Avisos Importantes

Barranco das Quebradas

Na passagem do Barranco das Quebradas, à chegada à praia do Telheiro, terá que descer por uma escada em madeira, prossiga com cuidado.

Marcação alternativa e terreno duro

Após a passagem do barranco da praia do Telheiro a marcação está feita com recurso a mariolas (montes de pedras), caminhe com a máxima atenção, de forma a não sair do trilho certo, único e recomendável. Se puder, ao encontrar montes caídos, volte a colocar as pedras. Nos últimos 500 m, antes de se cruzar com o Caminho Histórico, o trilho segue por terreno duro e pedregoso.

Abastecimento durante o percurso

Com excepção do troço final, à chegada ao farol, não irá encontrar qualquer ponto de abastecimento durante o percurso. Deve levar água (1.5 L mínimo) e mantimentos suficientes.

 
FECHAR

REGRAS E RECOMENDAÇÕES

NÚMERO MÁXIMO DE 20 PESSOAS POR GRUPO. PARA FAZER EXCLUSIVAMENTE A PÉ
É PROIBIDA A CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS NAS DUNAS
É PROIBIDO ACAMPAR EM TODO O TRILHO DOS PESCADORES, PROCURE OS PARQUES DE CAMPISMO
PERCURSO NÃO RECOMENDADO A PESSOAS COM VERTIGENS OU MEDO DE ALTURAS
AS ARRIBAS SÃO SISTEMAS EM PERMANENTE PROCESSO DE EROSÃO, O SEU PISOTEIO REPRESENTA PERIGO DE QUEDA
A MARCAÇÃO SEGUE OS TRILHOS SELECCIONADOS PARA UM MENOR IMPACTO NA NATUREZA, RESPEITE-OS
VÁRIAS ESPÉCIES DE AVES NIDIFICAM NAS FALÉSIAS, PROTEJA-AS DE QUALQUER PERTURBAÇÃO
A VEGETAÇÃO DAS FALÉSIAS CONTÉM ESPÉCIES RARAS, ENDÉMICAS E INFESTANTES. NÃO RECOLHA AMOSTRAS
AS FALÉSIAS APRESENTAM FORMAÇÕES ROCHOSAS E VESTÍGIOS ARQUEOLÓGICOS. NÃO RECOLHA AMOSTRAS
FRACO APOIO DE SERVIÇOS TURÍSTICOS AO LONGO DA ETAPA, LEVE ÁGUA E MANTIMENTOS CONSIGO
NÃO FAÇA FOGO
NÃO DEIXE LIXO E AJUDE-NOS, TRAZENDO O QUE ENCONTRAR
 




 

< CIRCUITO PONTAL DA CARRAPATEIRA



ETAPA VILA DO BISPO » CABO DE S. VICENTE >


 

ACTIVIDADES MAIS PRÓXIMAS