RESERVE ONLINE QUIOSQUE ONLINE

Onde o Mira desagua no Atlântico

A foz do rio, a Praia das Furnas e o cheiro a mar fazem de Milfontes uma vila acarinhada por muitos, que até a apelidam de “Princesa do Alentejo”. É também, provavelmente, a vila mais movimentada de toda a costa. Aproveite!

Seja prudente!

Durante os primeiros 2.5 km desta etapa, terá que caminhar ao longo da rua principal de Milfontes e depois pela berma da estrada nacional até encontrar um portão de madeira. Circule com a máxima precaução.

O voo dos andorinhões

De Março a Outubro, ao passar ponte sobre o rio, observe um dos mais belos espetáculos da natureza – o voo dos andorinhões. Alimentam-se em voo, acasalam em voo, dormem em voo… estão de tal modos adaptados ao voo que poisar no chão lhe pode ser fatal.

Pedras com nomes

Os locais batizam cada pedaço de costa com nomes que frequentemente estão relacionados com a forma que as rochas assumem: Pedra da Atalaia, Lombo do Asno, Arquinho, Pegada do Boi, Telhado, Penduradoiro, Pedras do Inferno ou Cabeça de Pedra.

A planta exótica mais agressiva do Sw

Nesta etapa é bem notória a presença da acácia. Esta invasora tem potencial para reduzir a biodiversidade das dunas praticamente a zero. Também a agricultura intensiva se estende por vezes até bem perto do mar.

Trilho dos Pescadores


 

Vila Nova de Milfontes » Almograve

15 km

 
 
 

Neste dia vai lavar a alma com vistas deslumbrantes sobre Vila Nova de Milfontes e o rio Mira, que aqui tem o seu encontro com o Atlântico, num dia de caminhada curto e acessível para que possa desfrutar em pleno da região.

 



 
ABRIR MAPA

A passagem da ponte sobre o rio, em Vila Nova de Milfontes, permite contemplar a foz, a vila e as encostas cobertas de matos mediterrânicos. Estes produzem abundantes bagas, que atraem pássaros e pequenos mamíferos. Na maré vazia, contemple os sapais, nas curvas do rio, parcialmente emersos e cobertos de juncos, que funcionam como maternidades de peixes.

De Março a Outubro, observe um dos mais belos espectáculos da natureza – o voo dos andorinhões. Quando chegam, começa a azáfama do acasalamento e construção do ninho; depois é um vai vem para alimentar as crias e no Outono, antes da partida, é tempo de as treinar para grandes voos.

Neste troço pode apreciar as marcas do ser humano neste litoral. Há sítios onde a vegetação nativa mostra toda a sua diversidade e outros onde ela foi eliminada pela planta exótica mais agressiva do Sw – a acácia. Esta invasora tem potencial para reduzir a biodiversidade das dunas praticamente a zero.

Também a agricultura intensiva se estende por vezes até bem perto do mar. No entanto, pode apreciar outras marcas de presença humana bem mais pacatas, como a pesca artesanal, ou as fábricas de pedra lascada que afloram sob a areia das dunas, vestígios do homem da idade da pedra.

 

+

Dicas


Abastecimento durante o percurso

Ao km 4, na Praia das Furnas.


Vá pelo rio!

Durante os meses mais movimentados, aproveite os serviços regulares de transporte de passageiros entre Milfontes e as Furnas e comece ou termine o dia de caminhada passando o rio de barco.

 
FECHAR



 

Onde Começar

Vila Nova de Milfontes:

No Posto de Turismo, seguindo pela Rua Custódio Brás Pacheco em direcção à estrada nacional.

Almograve:

Na rotunda, seguindo pela Rua do Chafariz até aos lavadouros. Mais à frente encontra indicações para entrar no caminho à esquerda.

Ficha Técnica

GRAU DE DIFICULDADE: ALGO DIFÍCIL
EXTENSÃO: 15 KM
DURAÇÃO APROXIMADA: 5 HORAS
SUBIDA ACUMULADA: 88 M
DESCIDA ACUMULADA: 116 M
ALTITUDE MÁXIMA: 53 M
ALTITUDE MÍNIMA: 0 M
ÉPOCA ACONSELHADA:
SETEMBRO A JUNHO
 
+

Avisos Importantes

Obras em Milfontes

Decorrem por tempo indeterminado obras no centro de Vila Nova de Milfontes. Siga as marcas com atenção e peça direcções aos locais caso haja necessidade de ter de seguir por outras ruas paralelas.

Ver mais >

Seja prudente!

Entre Vila Nova de Milfontes e a Praia das Furnas, o caminho segue inicialmente pela Rua Custódio Brás Pacheco. Seja prudente e circule sempre pelo passeio. Da rotunda, na estrada nacional até à ponte rodoviária (500 m), e do final da ponte até ao portão de madeira que dá acesso à Vila Formosa (500 m), o caminho segue pela berma da estrada nacional. Circule com a máxima precaução, o mais encostado à berma do lado direito (N-S) e caso caminhe com crianças seja vigilante.

Mantenha sempre o portão fechado, de forma a evitar que o gado saia da propriedade.

Cuidado com o gado

Ao atravessar a propriedade – entre o portão e a praia das Furnas – tome atenção ao gado, evite movimentos bruscos e mantenha-se afastado, embora manso, não gosta da aproximação de estranhos às suas crias.

 
FECHAR

REGRAS E RECOMENDAÇÕES

NÚMERO MÁXIMO DE 20 PESSOAS POR GRUPO. PARA FAZER EXCLUSIVAMENTE A PÉ
É PROIBIDA A CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS NAS DUNAS
É PROIBIDO ACAMPAR EM TODO O TRILHO DOS PESCADORES, PROCURE OS PARQUES DE CAMPISMO
PERCURSO NÃO RECOMENDADO A PESSOAS COM VERTIGENS OU MEDO DE ALTURAS
AS ARRIBAS SÃO SISTEMAS EM PERMANENTE PROCESSO DE EROSÃO, O SEU PISOTEIO REPRESENTA PERIGO DE QUEDA
A MARCAÇÃO SEGUE OS TRILHOS SELECCIONADOS PARA UM MENOR IMPACTO NA NATUREZA, RESPEITE-OS
VÁRIAS ESPÉCIES DE AVES NIDIFICAM NAS FALÉSIAS, PROTEJA-AS DE QUALQUER PERTURBAÇÃO
A VEGETAÇÃO DAS FALÉSIAS CONTÉM ESPÉCIES RARAS, ENDÉMICAS E INFESTANTES. NÃO RECOLHA AMOSTRAS
AS FALÉSIAS APRESENTAM FORMAÇÕES ROCHOSAS E VESTÍGIOS ARQUEOLÓGICOS. NÃO RECOLHA AMOSTRAS
FRACO APOIO DE SERVIÇOS TURÍSTICOS AO LONGO DA ETAPA, LEVE ÁGUA E MANTIMENTOS CONSIGO
NÃO FAÇA FOGO
NÃO DEIXE LIXO E AJUDE-NOS, TRAZENDO O QUE ENCONTRAR